O que é Design Thinking? Veja a explicação do conceito de forma simples!

Quem se depara com o termo design thinking pode ter a impressão de que o nome define o setor no qual a abordagem é utilizada. Nesse caso, o design. Mas não é bem assim. Na realidade, o termo está vinculado ao ponto de partida, já que o design é a inspiração do conceito e não o seu fim.

E isso fica muito claro ao conhecer mais essa abordagem, pois, dentro do processo, ela conta com incentivo e com estruturação clara para que haja a participação de conhecimentos multidisciplinares.

Mas vamos com calma! O objetivo do post de hoje é demonstrar como o DT se encaixa nas mais diferentes rotinas profissionais, sendo um ponto transformador na qualidade da entrega. Então, vamos lá!

Mas o que é design thinking?

O DT é um mindset ágil e holístico de desenvolver projetos, processos ou produtos. E consegue ser assim, pois, tem fases estruturadas. Etapas essas que são desenvolvidas de maneira progressiva e colaborativa.

A ideia do design thinking, e aqui damos sentido ao nome, é utilizar as premissas do design. Explico.

Um designer quando desenvolve um produto (físico ou digital) precisa ter um olhar 360°, pelo qual cria uma solução que seja útil, simples de entender, fácil de usar, atrativa ao olhar e viável de se produzir.

Ainda que a missão seja trabalhosa (e é!) o resultado é altamente satisfatório porque responde a todas as expectativas e questionamentos do consumidor com a entregar valor.

Daí a necessidade de inserir essa lógica dentro de outros contextos, principalmente o do mundo business, a fim de criar produtos e serviços que realmente importe para as pessoas, além de otimizar a utilização dos recursos disponíveis com a maior assertividade possível.

Como é a equipe no design thinking?

Como mencionamos, o DT conta com um processo estruturado. As etapas começam depois da equipe, que será responsável pelo desenvolvimento da solução, estar definida.

Tal escolha deve seguir a ideia de reunir conhecimentos complementares. Por exemplo, na busca por criar um produto, o ideal é selecionar profissionais de diferentes áreas, uma vez que a administração de um produto, na prática, demanda a atuação simultânea de todos eles.

Assim, considerando o exemplo acima, seria assertivo ter profissionais de marketing e de finanças, tanto quanto da área de compras, de produção e de logística no time de desenvolvimento.

Qual é o processo da abordagem?

Entre a primeira reunião e a entrega efetiva existem sete etapas no design thinking. Pelo nome elas são quase autoexplicativas, veja:

  • Entendimento;
  • Observação;
  • Ponto de vista;
  • Ideação;
  • Prototipagem;
  • Teste;
  • Iteração.

De forma objetiva a ideia inicial é mergulhar no universo ao qual se está dedicado. Entender a cultura, a dinâmica, as características, reações e todos os demais pormenores que fazem cada realidade ser única, assim como a solução final deve ser.

O processo de imersão precisa garantir o entendimento sobre o problema de maneira que nem mesmo quem convive com ele todos os dias conseguiu identificar. Para tanto, são utilizadas pesquisas primárias e secundárias, o que, na prática, significam ter a experiência antropológica (um infiltrado que se coloca no meio do contexto para, apenas e atentamente, observar e não interferir) até a leitura dedicada de indicadores e pesquisas publicadas.

Num segundo estágio se começa a filtragem das informações colhidas nas pesquisas, a fim de analisar e selecionar as mais relevantes para conseguir trabalhar soluções que entreguem valor. 

A partir da delimitação do problema é possível partir para as ideias e os insights de solução obtidos até aqui e começar a lapidá-los, uma vez que é preciso integrar os pontos de vista e utilizar as informações selecionadas para desenvolver a proposta de valor.

Em sequência o produto começa a tomar forma pela prototipação. Mas sem apego! Ao encaminhar os principais atributos para os testes é inegociável usar essa etapa como um propulsora de desenvolvimento, ao invés de apenas confirmar quão boas as ideias ali são.

E então, partir para a famosa hora da verdade, momento pelo qual o mercado dá a palavra final sobre a aceitação ou não do produto, seja em pits para investimento ou já em fase de lançamento e distribuição.

Design Thinking e os profissionais do futuro

Até aqui exploramos a lógica da abordagem, demonstrando como o DT vai além de uma abordagem profissional, sendo estendida como habilidade, mindset, comportamento.

Os valores do DT, empatia, colaboração e experimentação são, de fato, ações que precisam ser postas em prática para que a abordagem consiga surtir o seu efeito.

A partir disso, olhar para o futuro com a perspectiva o olhar do design thinking é tornar tangível a possibilidade de profissionais mais abertos, completos, criativos, dispostos e menos arrogantes. É ter a máxima “de pessoas para pessoas” no nível da realidade, o que só é possível quando se pratica algo diariamente.

A sociedade do futuro terá de solucionar desafios, cujos dilemas e problemas ainda não estão 100% claros para nós. A única certeza é de que eles existirão e de que é iminente a capacidade de adaptação, pois, os desafios mudarão e surgirão cada vez mais rápido e as respostas a eles precisarão ser tão inovadoras quanto a própria situação.

Tal perspectiva torna clara a demanda por profissionais do futuro experts em aprender e criar, o que pode ser trabalhado desde já a partir da implementação do design thinking!

Conseguiu entender o que é o DT? Você consegue ver um panorama maior e aprofundado sobre o assunto aqui neste artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *